RSS

Arquivo da tag: Twitter

De novo na área

Enfim, voltando a escrever para o blog. Confesso que ele ficou parado por um longo período para meu desespero diário. Como todo mundo diz: nada é por acaso. Foi necessário, pois precisava refletir sobre a área de comunicação e terminar definitivamente a minha tão falada monografia para finalizar o curso de Pós-graduação em Relações Internacionais.

Bem, durante este tempo eu não larguei os livros de comunicação. Aumentei bem a minha biblioteca pessoal, descobri bons autores e outros que nem vale a pena falar. Só me pergunto como conseguem lançar livros. Também li tudo o que poderia para terminar a minha monografia que teve como tema “Islamismo 2.0”. Adorei fazer. Um momento pessoal de puro enriquecimento cultural que não tem preço. Fiz uma análise do uso das redes sociais nos recentes levantes, fazendo uma comparação da Revolução Islâmica no Irã de 1979 com a de junho de 2009. Este tema foi apresentado em minha palestra no Circuito 4×1 do Rio de Janeiro em 29 de abril de 2011.

Você que está lendo este texto avise aos amigos: o blog da Plano B voltou e Janaína Machado está na área. Não pensem que eu não estava observando o mercado de comunicação e o que acontecia no seu dia a dia. O que me deixou mais espantada todo este período foi à velocidade com que a informação está chegando e atropelando as nossas vidas. Cada dia que passa fica mais complicado em acompanhar a velocidade e a enxurrada de informação que chega.

Faço a seguinte pergunta: Você consegue ver e acompanhar tudo que sai nos jornais, revistas, sites, blogs, Twitter, Facebook, LinkedIn, YouTube, Google +, etc.? Impossível é a minha resposta. Pense na sua.

Por mais seletiva e usando aplicativos que me ajudam nesta seleção, não consigo ler tudo que vejo ou mandam para mim. Almoçar com amigos para falar sobre as novidades, participar de eventos como Descolagem e o Circuito 4×1 ajudam nesta seleção. Mesmo assim, saimos deles mergulhados em um oceano de informação.

O jeito foi delimitar ainda mais os assuntos de interesse. Uma pena, mas o cérebro não tem capacidade para tanto. Apesar de um assunto muitas vezes puxar outro e de repente, nos vemos estudando mais um tema para não ficar com aquela cara de bobo por desconhecer totalmente o que está sendo falado. E atire a primeira pedra quem já não passou por uma situação dessas.

Estar de novo na área significa que venho com mais bagagem, pois participei de alguns eventos, fui palestrante e li muito, principalmente assuntos que poderiam interessar a Plano B. Liderança, Geração X e Y, Mídias e Redes Sociais e a minha querida e inseparável Comunicação Interna e Corporativa. Foi um momento de pura desconstrução, de ruptura pessoal para voltar com a cabeça cheia de ideias e principalmente lotada de bagagem cultural.

Então, não vou ficar aqui de blá, blá blá. A monografia está pronta e estou feliz com isto. E o melhor, a Plano B está coordenando a área de comunicação, mídias sociais e redes sociais e é parceira da Brains at Work. A partir de agosto vamos ter muitos temas para falar por aqui. Não poderia deixar meus leitores órfãos de pai e mãe. Sei que muitos gostam de minha opinião e de meus posts. Temos muito trabalho pela frente e quero compartilhar este momento pessoal.

Agosto está aí e a Plano B também. Obrigada a todos os amigos que me apoiaram neste período de afastamento. Valeu!

Anúncios
 

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , ,

A Revolução das Mídias Sociais 2011

Assista o vídeo “A Revolução das Mídias 2011”.  Conheça os mais novos números.

 

Tags: , , , , , , , , , , , ,

Nossos direitos na Era 2.0

     Após terminar minha palestra no Circuito 4×1 do Rio de Janeiro, em 29 de abril, alguns participantes me cercaram para conseguir entender melhor a “Revolução Digital”, ocorrida no Oriente Médio.

    Gostaria de ter feito isto em um debate, mas o tempo foi bem curto e alguns pontos ficaram sem ser respondidos. Sou detalhista ao extremo e meus slides são carregados de informações. E Redes Sociais no Oriente Médio – Uma Revolução Digital?”, não escapou. Ficou bem grande. Mas, amei dar esta palestra, pois pude juntar os meus conhecimentos de 25 anos atuando na área de comunicação e agora o meu conhecimento em Relações Internacionais, especificamente nos países muçulmanos.

Pela primeira vez na história mundial os jovens muçulmanos saíram às ruas munidos de celulares em vez de ter em mãos as fatídicas AK-47, protestando contra ditaduras, fundamentalismo religioso e a falta de democracia. O primeiro levante digital do Irã contou com jovens de 25 anos digitando freneticamente nas redes sociais. Eles sabiam que tinham uma poderosa arma na mão e que poderiam ser escutados mundialmente se fizessem este tipo de manifestação. Ninguém iria detê-los. Ninguém teria a ousadia calar suas vozes.

Foi o Irã X Irã. Um levante que sacudiu o mundo e que acabou por espalhar uma onda de protestos no mundo árabe que persiste até a data de hoje, quando estou  escrevendo este artigo para o blog. O clero islâmico que comanda o país tendo como porta-voz o Presidente Ahmadinejad, conseguiu fraudar as eleições para ficar mais tempo no cargo, mas não conseguiu calar a voz desses jovens, mesmo cortando acessos à Internet, redes sociais e celulares.

    Estes jovens estão mudando a percepção que temos do mundo árabe e sua religião. Subestimamos os muçulmanos chamando-os de tribais, atrasados. Sim, ainda há regiões que vivem na Idade Média, não sabem da existência da Internet e o modo de sobrevivência nestas vilas é contar apenas um com a ajuda do outro e manter os padrões religiosos.

     O mundo digital, os avanços tecnológicos, é desconhecido para algumas comunidades que vivem isoladas e muitas vezes comandadas pelo Talibã (o fundamentalismo islâmico). Nós, capitalistas e consumistas, já acostumados e vivendo no mundo dos avanços tecnológicos e tudo de bom que a Era 2.0 nos oferece queremos sim o que há naquelas terras: petróleo. Este é o principal motivo de tanta rivalidade entre o Ocidente e Oriente. Quem for dono e comandar os maiores poços de petróleo, o ouro negro, tem o poder nas mãos. Infelizmente é assim que vejo.

Estes jovens muçulmanos estão nos ensinando que eles querem qualidade de vida, melhores condições de trabalho, um país mais justo e equilibrado, e que os avanços tecnológicos são apenas um modo, uma via que proporciona a eles serem ouvidos não somente no mundo islâmico, mas também fora dele. Diferente do que foi vivido por seus pais e avós, que passaram por fortes conflitos internos e guerras e ainda, tiveram que aprender a mexer em armas como a AK-47 para poder reivindicar seus direitos.

Eles mudaram a história? Sim, escreveram um novo capítulo na Era Digital em que estamos passando. Apesar da Internet não ser garantia nenhuma de democracia, estes jovens conseguiram derrubar presidentes que estavam no cargo por mais de 30 anos. Conseguiram ser ouvidos apesar de toda a perseguição e algumas mortes por causa destes protestos marcados via Facebook ou Twitter.

O mundo conseguiu presenciar por meio destes jovens que é possível aprender com o uso das redes sociais um modo de gritar pelos direitos universais. E se foi ou não uma Revolução Digital, não importa. Ficamos presos ao termo, Revolução Digital para escrever estudos, análises, discutirmos o assunto. Estes jovens não estão se importando com isto. O que eles querem já foi dito em 140 caracteres, divulgado no mural do Facebook e postado no YouTube.

E posso garantir, eles deram um banho de união, de coragem em cima das novas gerações americanas, brasileiras, inglesas, etc., que nasceram conectadas na rede. Deram também uma lavada nas empresas que ficam terrivelmente preocupadas com o uso das redes sociais no local de trabalho.

Estes jovens conseguiram nos mostrar que uma vez usadas com responsabilidade, às redes sociais podem ensinar, integrar, informar. E me fizeram a seguinte pergunta pós-palestra: Por que este tipo de levante não acontece no Brasil? Nos países muçulmanos, o Estado não é separado da religião, se misturam, por este motivo acredito ser mais fácil este tipo de levante. As democracias existentes são veladas. Não são verdadeiras democracias. Já aqui e na maioria dos países Ocidentais o Estado e a religião não se misturam. O Brasil vive tempos de democracia, a ditadura não existe mais. Talvez se estivéssemos vivendo nos tempos da ditadura, levantes como estes fossem realizados. Os jovens brasileiros não estão preocupados em marcar encontros via Twitter e Facebook para sair às ruas e tirar um político corrupto e safado do Congresso. Seria muito bom se eles usassem as redes sociais com este propósito. Poderíamos certamente ter um governo melhor, pois a Internet e as redes sociais não estão aí somente para fazer amigos ou conseguir mudar o status matrimonial. Quem sabe não aprendemos com os muçulmanos, a partir do momento em que pararmos de olhá-los de soslaio e com aquela desconfiança de que são todos terroristas?

Querer gritar por nossos direitos é fundamental. Se a Era 2.0 proporciona esta facilidade por que não usá-la?

 

Tags: , , , , , , ,

Plano B apresenta palestra no Circuito 4×1 do Rio de Janeiro

A Plano B Consultoria aceitou o desafio do Circuito 4×1 e apresentou no último dia 29 de abril a palestra “Redes Sociais no Oriente Médio – Uma Revolução Digital?”.

Janaína Machado, sócia diretora da Plano B, apresentou como os jovens do Oriente Médio utilizaram as redes sociais para clamar por democracia, melhores condições de trabalho e vida e liberdade de expressão. Clique na imagem para abrir o SlideShare e assista ao vídeo de abertura da palestra, realizado e produzido pela Plano B a partir de imagens pesquisadas e disponibilizadas na Internet e com música de Marcus Vianna: Maktub.


 

Tags: , , , , , ,

Natal 2.0

Aprendemos quando criança a História do Natal. Esta seja talvez, a história que você nunca vai esquecer, não importa a sua religião: de como nasceu Jesus.

Mas, o que a tecnologia não faz! Se Jesus nascesse na Era 2.0, tenha certeza que seria assim:

Esta é como as Redes Sociais, a web e o mobile contam a História da Natividade. O Natal através do Facebook, Twitter, YouTube, Google, Wikipedia, Google Maps, GMail, Foursquare, Amazon… Os tempos mudam, o sentimento continua o mesmo.

(Este vídeo é uma reprodução do YouTube e feito pela http://www.excentric.pt )

 

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Século XXI pode trazer o fim da administração moderna

Este texto foi encaminhado pelo professor Carlos Nepomuceno (@cnepomuceno) para que seus alunos, do curso Ruptura 2.0, possam entender melhor o que consolida o chamado Capitalismo 2.0.

Uma verdadeira aula que a Plano B reproduz aqui para que seus leitores possam entender melhor a necessidade de mudança que as organizações devem sofrer.

***********************************************************************

Alan Murray
The Wall Street Journal

O guru de empresas Peter Drucker chamava a administração de “a inovação mais importante do século XX.” O elogio se justificava. Técnicas para tocar empresas grandes — criadas por homens como Alfred Sloan da General Motors e refinadas em um bando de faculdades de administração de elite — ajudaram a embalar um século de prosperidade global sem precedentes.

Mas esta grande inovação do século XX conseguirá sobreviver e vingar no século XXI? As evidências sugerem que provavelmente não. A administração “moderna” está próxima de uma crise existencial.

Companhias cujos líderes se diziam defensores do livre mercado foram na verdade criadas para sabotar esse mercado. Essas empresas também foram uma resposta ao desafio de organizar milhares de pessoas em locais diferentes com habilidades distintas para desempenhar tarefas grandes e complexas, como fabricar automóveis ou disponibilizar telefonia para um país inteiro.

No mundo relativamente simples de 1776, quando Adam Smith escreveu o clássico “A Riqueza das Nações”, o interesse iluminado de pessoas fazendo contratos individuais entre elas era suficiente para garantir o progresso econômico. Mas cem anos depois, a revolução industrial fez a visão de Smith parecer antiquada. Um novo meio de organizar pessoal e alocar recursos para tarefas mais complicadas era necessário. Daí o advento da empresa administrada — uma resposta ao problema central da era industrial.

Nos cem anos seguintes, a corporação serviu seu propósito. De Henry Ford a Harold Geneen, os grandes administradores de empresas do século XX impulsionaram a ascensão de uma vasta classe média global, oferecendo tanto os meios financeiros como os bens e serviços que trouxeram o que era luxo às massas.

Em anos recentes, contudo, a maioria das grandes histórias de gestão não foi de triunfos das corporações, mas sim sobre as corporações. Jack Welch, da General Electric, pode ter sido o último dos grandes construtores de corporações. Mas mesmo ele ficou famoso por declarar guerra à burocracia. Outros ícones de gestão de décadas recentes criaram suas reputações atacando culturas corporativas arraigadas, desviando de hierarquias corporativas, prejudicando estruturas corporativas e em geral usando táticas revolucionárias num esforço desesperado para fazer com que gigantes se mexessem. Os melhores gestores se tornaram, de certa forma, inimigos da corporação.

As razões para isso são claras. As corporações são burocracias e os gestores são burocratas. A tendência fundamental delas é se perpetuar. Quase que por definição, elas são resistentes a mudança. Elas foram criadas e estruturadas não para consolidar as forças de mercado, mas para substituir e até resistir ao mercado.

Ainda assim, forças colossais de mercado — rápida globalização, inovação acelerada e competição incessante — intensificaram o que o economista Joseph Schumpeter chamou de forças da “destruição criativa”. Instituições com décadas de existência como Lehman Brothers e Bear Stearns agora podem desaparecer do dia para a noite, enquanto empresas como Google e Twitter podem surgir do nada. Um vídeo bastante acessado na internet captura a natureza geométrica dessas tendências, ressaltando que levou 38 anos para o rádio e 13 anos para a televisão atingirem audiências de 50 milhões de pessoas, mas apenas quatro anos para a internet, três anos para o iPod e dois anos para o Facebook fazerem o mesmo.

Nem mesmo as empresas mais bem gerenciadas estão protegidas do embate destrutivo entre o turbilhão da mudança e a inércia corporativa. Quando perguntei a integrantes do CEO Council do The Wall Street Journal — um grupo de presidentes de empresas que se encontra todo ano para deliberar sobre questões de interesse público — qual era o livro de negócios mais influente que já haviam lido, muitos citaram “Dilema da Inovação”, de Clayton Christensen. Esse livro documenta como empresas líderes em seus mercados deixaram passar transformações que mudaram o jogo em setor após setor — como no caso de computadores (mainframes para PCs), telefonia (fixa para celular), fotografia (filme para digital), bolsa de valores (pregão para on-line) — não por causa de gestão “ruim”, mas porque seguiram as diretrizes da “boa” gestão. Elas escutaram seus clientes. Elas estudaram as tendências de mercado. Elas alocaram capital para inovações que prometiam o maior retorno. E no processo, deixaram passar inovações perturbadoras que criaram novos clientes e mercados para produtos de margem menor e com enorme apelo.

A fraqueza das companhias em lidar com mudança acelerada é só metade do ataque duplo a noções tradicionais de gestão empresarial. A outra metade vem da corrosão da justificativa fundamental para a própria existência das corporações.

O economista britânico Ronald Coase apresentou a lógica básica da corporação administrada em seu livro de 1937 “The Nature of the Firm”. Ele argumentou que as corporações eram necessárias por causa do que ele chamou de “custos de transação”. Era simplesmente complicado e caro demais procurar e encontrar o trabalhador certo no momento certo para determinada tarefa, ou procurar insumos, renegociar preços, policiar o desempenho e proteger segredos comerciais num mercado aberto. A corporação podia não ser tão boa em alocar trabalho e capital quanto o mercado, mas compensava essas fraquezas ao reduzir custos de transação.

Coase recebeu seu Prêmio Nobel em 1991 — a aurora da era da internet. Desde então, a capacidade de seres humanos em continentes diferentes com interesses e habilidades diferentes de trabalhar em conjunto e coordenar tarefas complexas deu saltos gigantescos. Empreitadas complicadas, como manter a Wikipedia ou construir o sistema operacional Linux, agora podem ser tocadas com pouca ou nenhuma estrutura gerencial.

Isso levou alguns partidários da utopia, como Don Tapscott e Anthony Williams, autores do livro “Wikinomics” a prever a ascensão da “colaboração em massa” como a nova maneira de organização econômica. Eles acreditam que hierarquias corporativas vão desaparecer, já que indivíduos conseguem trabalhar juntos na criação de “uma nova era (…) ao par com a renascença italiana ou o surgimento da democracia ateniense.”

É algo ambicioso, provavelmente exagerado. Até mesmo os mais sonhadores entusiastas de tecnologia têm dificuldade em visualizar, por exemplo, a construção de um Boeing 787 via “colaboração em massa”. Ainda assim, as tendências são grandes e inegáveis. O ritmo da mudança está se acelerando. Os custos de transação estão diminuindo rapidamente. E como resultado, tudo o que aprendemos no século passado sobre gestão de grandes corporações requer séria reconsideração. Temos tanto a necessidade quanto a oportunidade de elaborar uma nova forma de organização econômica e uma nova ciência de administração que possa lidar com a realidade estonteante das mudanças no século XXI.

O consultor de estratégia Gary Hamel é um defensor de ponta da reconsideração do gerenciamento. Ele está construindo um “laboratório” de gestão on-line onde líderes na prática e na teoria de gestão podem trabalhar juntos — uma forma de colaboração em massa — em ideias inovadoras para lidar com desafios modernos de administração.

E como serão os substitutos das corporações? Nem Hamel tem a resposta. “O que limita a gente”, ele admite, “é que somos extremamente familiarizados com o modelo antigo, mas o novo modelo, ainda nem vimos”.

Pelo menos isto está claro: o novo modelo será mais parecido com o mercado, e menos com as corporações do passado. Precisará ser mais flexível, ágil, adaptável a mudanças no mercado e implacável na alocação de recursos a novas oportunidades.

A alocação de recursos será um dos maiores desafios. A beleza dos mercados é que, com o tempo, eles tendem a garantir que pessoas e dinheiro sejam empregados nos empreendimentos de maior valor. Nas corporações, as decisões sobre a alocação de recursos são tomadas por pessoas com interesse em manter o status quo. “A principal razão pela qual empresas fracassam”, diz Hamel, “é que elas investem demais no que já é, e não no que pode ser”.

Esse é o núcleo do dilema do inovador. Empresas grandes estudadas por Christensen fracassaram não necessariamente porque não enxergaram as inovações que estavam chegando, mas porque não conseguiram investir adequadamente nessas inovações. Para evitar esse problema, as pessoas que controlam grandes quantias de dinheiro precisam agir mais como investidores de capital de risco e menos como departamentos financeiros. Elas precisam fazer diversas apostas — não apenas um punhado de grandes apostas — e estar dispostas a abandonar o barco para minimizar o prejuízo.

Além da alocação de recursos, existe o desafio ainda maior de criar estruturas que motivem e inspirem trabalhadores. Há evidências de sobra de que a maioria dos trabalhadores nas organizações complexas da atualidade simplesmente não está envolvida com o próprio trabalho. Muitos são como Jim Halpert, da série de TV “The Office”, que na primeira temporada declarou: “Isto é só um emprego (…) Se fosse minha carreira, eu teria me atirado na frente de um trem”.

O novo modelo terá de inspirar nos trabalhadores o tipo de empenho, criatividade e espírito inovador que se vê geralmente em empreendedores. O modelo terá de empurrar poder e capacidade de decisão o mais para baixo possível na pirâmide, em vez de concentrá-los no topo. Estruturas burocráticas tradicionais terão de ser substituídas por algo mais parecido com equipes de missão específica, que se juntam para lidar com determinados projetos e depois se dispersam. A SAS Institute Inc., empresa de software de capital fechado no Estado americano da Carolina do Norte que investe pesadamente em pesquisa e desenvolvimento e também em benefícios aos empregados — desde assistência médica gratuita no local de trabalho e apoio a idosos até massagens — é frequentemente citada como uma das companhias que podem estar abrindo o caminho. A empresa é reconhecida tanto por ser uma fonte de produtos inovadores quanto um bom lugar para se trabalhar.

A coleta de informações também precisa ser mais ampla e inclusiva. A exigência do ex-diretor-presidente da Procter & Gamble A.G. Lafley de que a empresa trouxesse ideias de produto de fora — em vez de desenvolvê-las todas internamente — foi um passo nessa direção. (Existe até um website para onde enviar ideias.) O novo modelo terá de ir além. Novos mecanismos terão de ser criados para controlar “a sabedoria das multidões”. Circuitos de feedback terão de ser construídos para que produtos e serviços evoluam constantemente em resposta a novas informações. Mudança, inovação, adaptabilidade precisam se tornar as ordens do dia.

A corporação do século XX pode evoluir para essa nova organização do século XXI? Não vai ser fácil. O “dilema da inovação” se aplica tanto à gestão quanto à tecnologia. Mas é chegada a hora de descobrir. Os métodos antigos não vão durar muito.

Adaptado do livro “The Wall Street Journal Essential Guide to Management”, de Alan Murray. Copyright 2010 da Dow Jones & Co. Publicado pela Harper Business, da editora HarperCollins Publishers.

Fonte: The Wall Street Journal

 
Deixe um comentário

Publicado por em 25/08/2010 em Uncategorized

 

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , ,

… e a Geração X começou assim

Estamos no tempo da velocidade da informação e nós, da Geração X não nos damos conta de quanto fomos absorvidos por ela. Isto foi fundamental para que pudéssemos continuar no mercado de trabalho. Você que é desta geração já se deu conta de quanta coisa mudou?

A Geração X não nasceu como a Y, plugada, todos com um controle remoto na mão, um computador sempre ao alcance para fazer suas pesquisas e ajudar nas tarefas do dia a dia de trabalho. Esta Geração que nasceu na década de 60, teve a sua adolescência no final da década de 70, e fez a sua faculdade no inicio da década de 80, caminhou junto com os avanços e se adaptou conforme a tecnologia ia aparecendo e mostrando a suas diversas facilidades.

Lembro, quando era pequena, que comunicação vinha através de telefonemas, cartas, rádio, TV, jornais e revistas.  Por meio dos sorrisos e reuniões da família e dos amigos. Era um tempo bom e que todos viviam sem Twitter, Facebook, Orkut e outras redes sociais. Telefone celular era um sonho inexistente e as amizades construídas através do colégio se ampliavam conforme a formação de círculos de amizade.

E o amigo virtual? Aposto que ninguém nunca pensou em ter um ou até mesmo mais de mil em sua rede social.  A Geração X queria obter a sua formação acadêmica, entrar no mercado de trabalho e fazer jus ao diploma tão sonhado e suado nos quatro anos universitários.

As transações financeiras eram as mais precárias possíveis. Computador em banco? Acho que só existiam os main fraimes para processarem os balanços de final de ano. Posso falar um pouquinho sobre isto porque meu pai foi gerente de banco nesta época tão precária. Os saldos eram anotados em fichas e diminuídos conforme os cheques iam chegando ao banco e retiradas realizadas pelos clientes. Chega a ser cômico, pois tenho certeza que a Geração Y nem se dá conta de que o processo era feito desta maneira. Mas, funcionava.

Meu pai nem chegou a ver a era das grandes transações financeiras realizadas virtualmente. Faleceu ainda no início da década de 80, mas chegou a ver  e utilizar o primeiro computador para os caixas, o que dava velocidade para o trabalho dos funcionários dos bancos. Não  assitiu a    “morte”  do vinil, do vídeo cassete, o nascimento do celular e tudo que veio depois. Nossa, e ele faleceu há apenas 26 anos. Os avanços de lá para cá são incontáveis e fico me perguntando se meu pai conseguiria se adaptar tão facilmente a todas as estas tecnologias. No meu parecer acho que sim, pois ele estava maravilhado com o computador do banco e as poucas invenções que estavam surgindo.

Aprendi a escrever as matérias jornalísticas em máquinas de escrever elétricas,. Eram as mais avançadas do mercado e as pesquisas para os trabalhos universitários feitas em silenciosas bibliotecas recheadas de livros, monografias e teses disponíveis nas muitas estantes. Acho que ninguém da Geração X poderia imaginar uma Internet ao seu alcance, contendo milhares e milhares de informações, prontas para serem lidas, absorvidas, tudo para ajudar estudantes e profissionais.

E assim era a comunicação da Geração X. Todos se formaram e a maioria ainda está no mercado de trabalho. Esta é uma geração que se deparou com o primeiro computador e se deslumbrou com ele. Não teve receio, encarou, sorrindo e maravilhado para aquela máquina que “tudo” podia. Todos queriam era aprender e saber do que ela poderia ser capaz.

Quando a Internet chegou, esta Geração já estava trabalhando em um pique alucinado. O espanto foi grande, mas ninguém torceu o nariz. A rede era capaz de armazenava arquivos, histórias, documentos, tudo estava lá dentro ao alcance de um clique e a tecnologia também avançava a uma velocidade incontrolável, facilitando o trabalho e o dia a dia dessa Geração.

Ninguém poderia imaginar que em 30 anos a tecnologia teria um avanço tão grande. Hoje os registros realizados no início de tudo foram rapidamente substituídos pela comunicação via rede. E-mails foram tomando lugar das cartas seladas e enviadas pelos Correios. Claro que o e-mail ganharia um imenso fã clube. Quem não iria preferir esta ferramenta que escrevíamos em uma tela e com apenas um clique o remetente recebia a mensagem escrita em questão de segundos? Acabava o deslocamento até os Correios, gastos com selos, canetas e papel. Não havia mais a expectativa, a ansiedade e a demora para que o remetente recebesse a mensagem. Era a velocidade contra a burocracia dos Correios, que reinou durante séculos e estava perdendo rapidamente seu mercado monopolizado.

Bancos, Bolsas de Valores e todas as transações financeiras deixaram de ser feitas diretamente na boca do caixa ou com o gerente. A era da virtualidade impera nesta área. Ficou mais fácil pagar contas, aplicar em fundos e consultar saldos. Tudo via Internet.

Congressos, reuniões à distância e debates, podem ser realizadas por meio de plataformas antes vistas apenas na imaginação dos roteiristas de filmes de ficção científica. Livros já podem ser lidos nas telas de computadores e estudantes já contam com a ajuda do Google e da maior biblioteca virtual do mundo: a Wikipedia. Aqueles imensos volumes da enciclopédia Barsa deixaram de ocupar espaço na velha estante.

O avanço da tecnologia não acompanha mais o pensamento do homem e está cada vez mais rápida. Em menos de seis meses o telefone comprado hoje certamente estará obsoleto. E cada vez mais aparelhos celulares estão sofisticados, aproximando mais as pessoas e é claro, acabando com a velha privacidade.

Jornais e revistas, TVs e rádios já possuem sua versão virtual e os meios de comunicação precisam ser cada vez mais rápidos para atualizar seus leitores e conquistar mais adeptos. Aliás, os profissionais de comunicação tiveram que se adaptar rapidamente a estas tecnologias. Mesmo assim, muitos jornais e revistas de todo o mundo não suportaram os avanços da Internet e fecharam suas portas e demitiram milhares de jornalistas.

Fica a minha pergunta: Conseguiríamos hoje viver um dia como nos antigos tempos? Você já se deu uma chance de viver um dia assim sem Internet, pesquisando em bibliotecas, lendo os jornais e revistas, vendo o telejornal, sem o seu sofisticado celular, Twitter ou Facebook, escutando rádio e atendendo telefones com fio ou sem fio? Tudo como antigamente? Conseguiria assistir a um filme no videocassete, escutar música em um disco vinil, jogar Atari e acompanhar o seriado na TV, sem fazer download? Conseguiria esquecer seu MP4, 5 ou IPod? Claro que se você tem menos de 30 anos esta pergunta não vale. Ela é direcionada as pessoas acima dos 40 anos.

Será que viver sem tudo isto durante um dia e quem sabe uma semana, você sofrerá de abstinência e ficará enlouquecido? Muitos dirão que sim. Nem conseguirão ficar sem seu super, mega celular. Twitter e outras ferramentas de comunicação, nem pensar. Dá loucura, pois o indivíduo se sente fora do mundo e completamente desinformado. Muitos da Geração X vão dizer que eram bons esses tempos, mas que preferem os de hoje.  temps que acpmpanhar os avanços é é a mais pura verdade.

A comunicação é mais rápida, já estamos acostumados com o ritmo alucinado da comunicação e já estão incorporados a nossa vida. A Geração X respara sim neste ritmo alucinado, mas conseguem acompanhar, sem nenhum problema.

Concordo com todos eles. Eu sou assim. Um ou dois dias fora do Twitter me sinto completamente desinformada. Mas, vejo muitas pessoas viverem sem tudo isto e muito bem. O celular serve apenas para falar e se sentem inteiramente satisfeitos. Leem jornais, revistas e desconhecem profundamente as tecnologias que nos ajudam no trabalho para facilitar nossas tarefas ou apenas para diminuir o estresse. Prefere jogar xadrez, gamão e uma paciência com baralhos verdadeiros e desconhecem os jogos virtuais como Farmville, Mafia Wars, Paciência Virtual, etc..

Parece incrível, mas é verdade. Muitos da Geração X, que pode ser seu primo, amigo ou tio desconhecem todas as tecnologias e vivem sem pavor de serem engolidos pelo mercado de trabalho. Levam uma vida agitada de trabalho, a mesma que a nossa, que utiliza todas as mídias e ferramentas disponíveis ou até mesmo levam uma vida pacata, como se estivessem parados no tempo. Mas, não estão. Muitos encaminham seus filhos para o sucesso sem utilizar todas as tecnologias que movem o nosso dia.

Tenho amigas que conhecem tudo o que existe, estão informadas, mas preferem ficar longe de toda esta loucura, de saber segundo a segundo o que está acontecendo no Brasil e no mundo. Usam no máximo e-mail ou celular e não possuem perfil em redes sociais. São admiradores do que usamos e aprendemos, mas possuem o chamado “problema entre cadeira e teclado”. Alguns chegam até mesmo a desconhecer a Internet, já ouviram falar no Orkut, Facebook e Twitter, porque são ferramentas muito comentadas na mídia.

Pasmem! Alguns são profissionais de grande sucesso e atuam plenamente. Como? Tenho um exemplo: uma grande amiga é uma excelente cirurgiã de tórax, trabalha em vários hospitais operando, participa de grandes congressos, sabe de todas as novidades de sua área, mas seu perfil no Orkut foi feito pelo seu marido, também médico. Ela mal lê e-mails ou se comunica por redes sociais. Isto é possível? A vida sem Internet, a velocidade da informação não é importante para sua carreira. Para ela, o que importa é o bem estar de seus pacientes e ficar na rede toma um tempo danado de seus horários de trabalho, apesar de ter consciência de que gastar umas horinhas na rede iria melhorar ainda mais os seus contatos com médicos no exterior e pesquisas que são divulgadas na Internet.

Estou escrevendo este artigo somente para lembrar que a vida ainda existe sem tudo isto e que este mundo paralelo sobrevive muito bem sem estes avanços e o estresse que ele proporciona, principalmente, para profissionais de comunicação, profissionais de TI, de web, entre outros que precisam estar constantemente informados. Caso contrário, sua carreira estará morta em questão de segundos por um “mercado cruel” com profissionais acima dos 40 anos.

Estes amigos também mandam cartas para os amigos, presentes e flores não virtuais, com o objetivo de manter a proximidade e o carinho. Não estou dizendo aqui que os bolos, beijos, abraços e flores virtuais não são encaminhados com carinho. Pelo contrário! Também não estou aqui fazendo apologia para que todos larguem tudo e voltem aos velhos tempos, pois sou adepta das mídias, celulares de última geração, avanços tecnológicos e não consigo mais viver sem isto. Sou uma profissional que levanta a bandeira para a preservação da memória e principalmente da digitalização de acervos culturais para que nada seja perdido. Além disso, sei que os avanços levaram a esta Geração X a obter muita informação e a absorver mais do que poderia para melhorar a sua carreira. Mas lembro, de que toda a informação vem carregada da sua urgência. São tantas informações geradas diariamente que acabam se acumulando. Não há tempo hábil para ler tudo. O dia deveria ter mais horas, somente assim, conseguiríamos ler tudo que nos é enviado e o que aparece na Internet. Assim mesmo, acho que fatalmente o acumulo seria inevitável. Ler tudo não é uma tarefa fácil e guardá-lo, mais ainda.

A nossa memória, o nosso cérebro tão misterioso, é capaz de absorver muitas informações ao mesmo tempo, mas não conseguimos armazenar tudo que vemos em apenas um único dia na rede. A velocidade da informação não é mais em segundos e sim em milésimos de segundos, o que torna impossível memorizar tudo. Então, o que não seria de nossa geração e das futuras gerações se não existisse esta tecnologia. A Geração Y nem pensa em viver sem isto e nem consegue imaginar como poderíamos viver sem isto. Acho que a geração X tão adaptada também, pois trabalharam duro para se adaptar e conquistar o seu espaço no mercado.

Acredito que a maior parte da Geração X está conectada tanto quanto a Geração Y e gostam de receber bolos e flores, abraços e beijos virtuais e dão extrema importância aos amigos de suas redes sociais. Mas, a Geração X, não conectada e que ainda vive sem os avanços tecnológicos, simplesmente não ligam e preferem viver desta forma. Uma questão de escolha neste mundo totalmente globalizado.

Termino o meu artigo com a frase de um famoso filme, da década de 80 e que se tornou Cult. É do diretor Ridley Scott, estrelado por Harrison Ford e Rutger Hauer: Blade Runner: Caçador de Androides. Este filme, lá atrás, nos meus tempos finais de faculdade de jornalismo mexeu muito comigo. Os avanços daquele filme já estão ultrapassados, mas os pensamentos não. Nele existiam replicantes e muitos nem tinham consciência de sua condição. Mas, os que sabiam queriam ter apenas a chance de viver mais. Sonho de todo ser humano. Eles queriam aprender mais.

A personagem de Rutger Hauer, o androide Roy, termina dizendo mais ou menos isso: “… vi muitas coisas. Todos os pensamentos e tudo que vive se perderão como uma lágrima na chuva. Hora de partir”. É o momento de sua morte.

Esta frase me marcou profundamente porque tudo pode ser armazenado, a história mundial, o que escrevi em posts, meu blog, minhas fotos. Mas, a única coisa que não poderá ser armazenada são os meus mais íntimos pensamentos e tudo, mas, tudo o que aprendi.

Então, será que meus amigos que fazem parte da Geração X e são “analfabytes” não estão melhor do que eu, que corro o dia inteiro atrás de notícias, avanços tecnológicos para me manter ativa na rede social, no Twitter e em outras mídias que surgirão? Será que toda esta correria e esse estresse vale a pena para nos manter no mercado? Questão para reflexão e escolha, como já dito.

A sensação que tenho é que haverá a qualquer momento um colapso de tudo por acusa de tanta urgência. Só quero deixar um alerta e fazer uma outra pergunta; será que o mercado corporativo deve ser tão cruel assim a ponto de exigir tudo para todos e de qualquer geração. Não tenho dúvida que tudo isto foi provocado pels avanços tecnológicos, mas o mercado deve ter toda esta sede? Será que realizar um bom trabalho, ser uma grande empresa, obter respeito do mercado não deve ser obtido somente pelo conhecimento mas também carregado de experiência? Fato que o mercado está esquecendo que a Geração X tem e até mesmo acima da média.

Não devemos voltar ao passado, devemos sorrir para os avanços em todas as áreas, mas devemos preservar uma qualidade de vida e o respeito pela expêriência que esta Geração tem e vem adquirindo.

 

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,