RSS

Arquivo da categoria: Opinião

Infográfico: Onde as empresas erram nas mídias sociais?

O portal HSM é uma fonte inesgotável de informações para o profissional de comunicação, RH, TI, etc. .

(Abaixo o blog da Plano B reproduz uma matéria relevante para seus leitores e que saiu publicado no site do HSM, no dia 15/12/2010.)

Fonte: A pesquisa foi realizada em julho de 2010 e teve como respondentes os assinantes da revista e newsletter da Harvard Business magazine. Foi complementada com 12 entrevistas em profundidade.Acesse “More Than Talk: The Search for Impact and Analytics of Social Media Use” para conhecer ainda indicadores como a percepção x a profundidade de informação e os benefícios que aparentam ser ainda maiores nas redes sociais.

Anúncios
 

Tags: , , , , , , , , , ,

7 dicas para ter boas ideias

Você conhece este vídeo?

Ele é muito legal e acreditem, estou passando pela primeira dica: Maturação de ideias. Leva tempo! 🙂 Mas muito em breve sairá da gaveta um artigo novinho produzido por mim.

Por enquanto, curta estas 7  ideias reproduzidas neste vídeo da Revista Época.

*******************************************************************************************

(Texto abaixo reproduzido do YouTube)

Em seu mais recente livro, Where good ideas come from — The natural history of innovation (De onde vêm as boas ideias — A história natural da inovação, sem data de lançamento no Brasil), Steven Johnson vai atrás das condições que possibilitaram ideias transformadoras.

 

Tags:

Liderança, tema do último Ciclo Comunicar

De 29 de novembro a seis de dezembro o Nós da Comunicação – site indispensável para qualquer profissional de comunicação-, realizou o último Ciclo Comunicar abordando o tema Liderança. Durante esta semana a ESPM do rio de Janeiro recebeu profissionais que dialogaram sobre as características e valores do líder do século XXI.

Você que é leitor da Plano B pode acompanhar aqui a reprodução da matéria publicada no site e de alguns artigos que a editoria da Consultoria achou extremamente relevante e interessante. Para ler e guardar.

Aproveitamos para dar os parabéns a toda a equipe do Nós da comunicação que apresentou durante todo o ano de 2010 maravilhosos ciclos e oportunidades de debates para engrandecer os profissionais de comunicação.

**************************************************************************************************

Uma semana de inspiração para as lideranças no século XXI

Christina Lima

Foi-se o tempo do poder exercido por um indivíduo privilegiado que, por ter maior acesso às informações, era o único a possuir a ‘chave’ para guiar seus liderados. Na visão moderna da liderança, o efeito de influenciar e inspirar pessoas é o que vale. Sai o controle, entra a colaboração. Durante uma semana, de 29 de novembro a 6 de dezembro, abrimos espaço para dialogar sobre as características e valores do líder do século XXI. Para isso, contamos com a contribuição de profissionais de várias áreas.

Realizamos no dia 1º de dezembro, no auditório da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), no Rio de Janeiro, um encontro para refletir sobre as complexidades com que gestores se deparam no mundo corporativo, onde atitudes inovadoras têm estimulado um novo tipo de relacionamento entre líderes e liderados. Nossos convidados foram Júlio Fonseca, diretor de Gente da Oi; João Domenech, diretor de Comunicação Corporativa da Coca-Cola Brasil, e Rafael Liporace, diretor da agência Biruta Mídias Mirabolantes e Paulo Clemen, diretor de atendimento e planejamento da Casa do Cliente Comunicação 360º, mediador.

Dentro da programação especial do Ciclo Comunicar Liderança, ainda batemos um papo virtual com o jornalista André Moragas, no dia 30 de dezembro. Ele passou pelos jornais ‘O Dia’ e ‘O Globo’, cobrindo as áreas de cidade e economia. Foi editor do ‘Globo Online’, na Infoglobo, e atualmente assume, na Ampla Energia e Serviços S.A., a função de diretor de Relações Institucionais e Comunicação.
********************************************************************************************************

A gestão estratégica como diferencial na liderança

João Casotti

O senso de liderança é algo presente na essência do empreendedor. Com a alta competitividade de um mercado em constantes transformações, a presença de uma visão estratégica na gestão empresarial pode ser responsável pela sobrevivência da empresa. A pesquisa ‘Demografia das Empresas’, divulgada este ano pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), confirma esta realidade: apenas entre 2007 e 2008; 889,5 mil empresas entraram no mercado e 719,9 mil fecharam as portas.

“Neste cenário de um mercado extremamente competitivo, com empresas investindo em tecnologia e novas possibilidades de comunicação, o empreendedor precisa estar atento a todas estas mudanças”, afirma Josué dos Anjos, consultor do Serviço de Apoio às Pequenas e Médias Empresas (Sebrae) do Mato Grosso do Sul e gestor de projetos e produtos do Portal Educação. Segundo o consultor, as organizações estão buscando mais líderes do que executores, à procura das capacidades de pensamento, decisão e inovação.

“O empreendedor não trabalha sozinho. Em algum momento vai precisar de apoio, seja por meio de parceiros ou colaboradores. Para este relacionamento, deve estar intrínseca a capacidade de liderança, que é a habilidade de comover e conduzir as pessoas a realizar o projeto”, explica Josué.

Capacitação para liderança

Heloisa Leite, professora da Coppead, escola de negócios da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), possui experiência internacional e faz uma análise dos atributos do líder no Brasil. “Temos vantagens comparativas. O brasileiro tem uma característica de plasticidade social. De forma negativa é vista como o ‘jeitinho brasileiro’, e de forma positiva é definida como inteligência emocional, uma capacidade de aceitar as diferenças. Por isso, o executivo brasileiro é bem visto no mundo todo.”

Segundo a professora, responsável por cursos de capacitação para executivos e gestores, a demanda por treinamento na área tem crescido muito. Apesar de a condição de líder ser considerada por muitos como algo que surge naturalmente nas pessoas, a acadêmica afirma que as qualidades de um líder podem ser desenvolvidas. “Liderar não é só ter capacidade técnica. Além do marketing, das finanças ou das estatísticas, as cadeiras comportamental e ética são fundamentais na formação do líder.”

Josué dos Anjos concorda com a professora. “Empreendedor é uma característica nata do ser humano, que às vezes está incubada e pode ser desenvolvida através de treinamentos e capacitações. O mesmo vale para a liderança. Todos nós temos a capacidade de envolvimento, o que determina o sucesso é a preparação”, justifica.

Mas o mercado apresenta exemplos de profissionais da Geração Y que, mesmo sem grandes experiências, assumem o papel de líder. É o caso de Yuri Zero, de apenas 23 anos, dono de seu próprio negócio. Sócio da Às Produções, empresa de comunicação e marketing, o jovem revela o que espera de um comando estratégico. “Alguns preferem usar a autoridade, outros acreditam que criar laços de amizade é uma forma mais fácil e simples de conseguir as coisas. Um grande líder é aquele que inspira confiança e respeito, que não precisa dar um grito para obter o que precisa. Pedir, basta.”

Trabalho em família

Antes de assumir seu empreendimento, Yuri Zero trabalhou com sua mãe, a produtora cultural Maria Luisa Jucá, na empresa Conexão Marketing, que atua há 20 anos no mercado. De acordo com o publicitário, a experiência foi extremamente enriquecedora, mas trabalhar em família envolve questões complicadas. “A relação de intimidade que se tem com um familiar acaba afetando a relação entre empregado e empregador. Às vezes é difícil saber separar as coisas”, confessa.

Para Dorothy de Mello, presidente do Instituto Empresa Familiar e sócia-diretora da Nebel e Mello Consultores Associados, a separação entre a relação familiar e profissional é algo muito difícil de estabelecer nas organizações. “A implantação de uma governança corporativa afasta os papéis entre propriedade e gestão. Os familiares que estão na empresa devem ser considerados como qualquer executivo, capazes de funcionar como qualquer profissional. Inclusive, serem contratados por competência e adequação à posição que lhes é oferecida”.

A diretora afirmou ainda que a gestão autoritária não funciona há muito tempo: “Um empreendedor não necessariamente vai ser um líder. Quando ele tem uma oportunidade e cria algo, nesse início ele é tudo. Mas à medida que a empresa vai crescendo surgem outras necessidades que precisam ser conduzidas por gente capaz. Isso é um problema no Brasil, por exemplo, que é cheio de empreendedores, mas muitas empresas não sobrevivem”, assinala.

O estudo Demografia das Empresas, realizado pelo IBGE, revela que do total de 464,7 mil empresas que apareceram pela primeira vez no mercado em 2007, 353,5 mil (76%) sobreviveram em 2008. O resultado está diretamente relacionado ao porte da organização, segundo a análise da pesquisa: entre as empresas sem pessoal assalariado, a taxa de sobrevivência diminui para 68%; com 1 a 9 profissionais, é de 89%; e, a partir de 10 pessoas, sobe para de 96%.

****************************************************************************************************

A comunicação da nova liderança das favelas cariocas

João Casotti

O Complexo do Alemão, na Zona Norte do Rio de Janeiro, ganhou uma nova liderança. No dia 28 de novembro, o Brasil e o mundo acompanharam pela mídia as forças de segurança do Estado entrarem na comunidade com o objetivo de restabelecer o controle sobre a região, antes dominada por traficantes armados. Agora, o conjunto de favelas tem a perspectiva de integrar os serviços da cidade e entra na lista das comunidades que vão receber a Unidade de Polícia Pacificadora (UPP), cuja instalação está prevista para o primeiro semestre de 2011.

Há décadas a vista privilegiada das favelas do Rio de Janeiro é ofuscada pela presença de traficantes, mas as recentes ocupações das UPPs nestas áreas abrem um novo horizonte para a cidade que receberá a Copa do Mundo em 2014 e sediará os Jogos Olímpicos em 2016: sai o crime organizado, entra o Estado, em uma tentativa de restaurar o livre acesso às comunidades.

Esta transição, que já ocorre em 13 favelas do Rio de Janeiro, está atraindo os interesses privado e público para uma numerosa população, que antes era marginalizada dos serviços da sociedade. Após a pacificação, as comunidades dos morros cariocas ressurgem com o potencial de pagadoras de impostos e também como público consumidor acessível para as empresas. No entanto, para atender a esta nova realidade o mercado local precisa se formalizar.

“Às vezes, as pessoas têm a impressão de que a ocupação já resolve o problema, quando na verdade é um processo que está apenas começando”, conta Daniela Tavares, do Instituto Pereira Passos. Ela é coordenadora do projeto Empresa Bacana, que tem o objetivo de promover o desenvolvimento sustentável do ambiente de negócios das comunidades pacificadas por meio da formalização e capacitação de pequenos empreendedores.

Para comunicar aos moradores a iniciativa, o Empresa Bacana organiza um evento de lançamento com a presença de consultores para explicar a cobrança de impostos e os benefícios que a formalização garante ao comerciante. Depois desse mutirão, realizado em cada comunidade, o projeto ainda fica instalado um mês na região atendendo aos habitantes.

“A divulgação é pela informalidade. Às vezes um motoboy distribui panfletos, utilizamos carros de som e a rádio comunitária. Os próprios policiais acabam fazendo também a panfletagem”, explica Daniela, que carregava três pesadas caixas com folhetos no morro da Providência, no Centro do Rio. “O boca a boca é muito importante neste processo, e isso vem dando certo.”

A liderança das favelas pacificadas mudou. No lugar de traficantes armados no alto do morro estão os carros de polícia, que sobem e descem sem qualquer intervenção. E como nova referência para os habitantes, a polícia também demonstra um cuidado especial no diálogo com seus ‘novos clientes’. Segundo o subcomandante da UPP da Providência, Thaibeth Duarte, a comunicação com os moradores é direta.

“O modelo de polícia que nós fazemos é o de proximidade. A ideia é estar perto do morador para poder incutir o conceito de bairro, pois, dessa forma, ele não aceita a criminalidade. Isso nos permite fazer o mesmo policiamento que fazemos em qualquer bairro. Com a confiança do morador evitamos que o tráfico ou o crime volte”, argumenta Thaibeth. Ele confessa que os próprios policiais acabam trabalhando na divulgação de iniciativas para a comunidade. “Recebi um material aqui, uns panfletos do projeto Empresa Bacana, que deveremos distribuir na comunidade.”

Um vestígio da mudança de relacionamento entre a polícia e os moradores pôde ser percebido no quadro de avisos da delegacia da UPP da Providência, onde estava escrito ‘Agente comunitário: realizar evento do Karatê’. De acordo com o subcomandante, são cerca de 250 alunos de karatê educacional, lecionados por um cabo da unidade. “Isso foi um meio que nos aproximou bastante da comunidade, porque primeiro vem a criança, depois chegam os pais. Temos pessoas de todas as idades conosco”, afirma Thaibeth Duarte.

A comunicação da UPP começa a navegar pelas infovias da internet. No final de outubro foram criados perfis em redes sociais e, na primeira quinzena de novembro, foi lançado o site da UPP Social, que é o órgão de auxílio às iniciativas sociais das unidades. Segundo Rodrigo Nogueira, responsável pela comunicação digital da UPP Social, o objetivo é criar um espaço de webcidadania para abrir um canal de diálogo com a população. “Vimos movimentos sociais e moradores de comunidades interagindo. Existe um potencial enorme para essa interação crescer de forma consistente”, explica.

Ele ainda ressalta a importância da UPP Social, como um espaço de escuta. “As redes sociais ampliam esse conceito. Estamos na Rede descobrindo o que as pessoas dizem sobre o projeto. Procuramos tirar dúvidas, ouvir as críticas e comentários, sempre buscando aprimorar o diálogo”, completa Rodrigo Nogueira.

A comunicação das empresas nas comunidades

Responsável pela distribuição de energia para 31 municípios do Rio de Janeiro, a Light está presente em comunidades ocupadas tanto pelas UPPs quanto pelos traficantes. Para circular nas áreas de risco, a empresa sempre entra em contato com as associações de moradores. “Toda comunidade tem a sua liderança, instituída pelos moradores. Já tivemos situações em que traficantes nos questionaram onde estávamos indo, mas com o link da associação conseguimos a liberação”, explica Sandra Consoli, gestora social de atendimento às comunidades da Light.

Segundo Consoli, os funcionários da empresa tinham dificuldade para serem atendidos em comunidades ocupadas pelo crime organizado, pois eram impossibilitados pelos traficantes de fazer cortes nas ligações clandestinas ou nas casas de moradores que não pagavam suas contas. Resultado: qualidade do serviço ruim e alto índice de inadimplência.

Agora, nas favelas pacificadas é preciso ter atenção em como comunicar a cobrança de serviços que antes não eram pagos, como lembra Daniela Tavares. “Ninguém gosta de pagar impostos. Por isso, a cobrança é reduzida para estes novos contribuintes. Eles ganham acesso a um serviço que não existia. O objetivo é fortalecer este mercado que vai receber investimentos de fora, para que, quando as empresas chegarem às comunidades, esses pequenos empreendedores estejam formalizados”, descreve.

Sandra Consoli está segura que o primeiro passo para entrar na comunidade é estabelecer um relacionamento. Depois, é preciso fazer um trabalho de conscientização com os consumidores comunitários, com explicações sobre economia de consumo para que possam reduzir o valor da conta de energia. “Somente pela educação é que eles vão conseguir mudar o vício arraigado de não pagar. Agora eles ganham um serviço de qualidade e o nível de inadimplência é baixíssimo”, completa a gerente.

*****************************************************************************************************

Executivos debatem os valores inovadores para uma nova liderança

João Casotti

Houve um consenso entre os palestrantes do evento do Ciclo Comunicar Liderança, promovido pelo Nós da Comunicação: os valores sobre liderança no mundo corporativo estão passando por profundas transformações. O debate, realizado no dia 1º de dezembro, no auditório da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPhttps://planobconsultoria.wordpress.com/wp-admin/post-new.phpM), no Rio de Janeiro, refletiu as complexidades que gestores se deparam no mundo corporativo, onde atitudes inovadoras têm estimulado um novo tipo de relacionamento entre líderes e liderados.

Júlio Fonseca, diretor de Gente da Oi; João Domenech, diretor de Comunicação Corporativa da Coca-Cola Brasil, e Rafael Liporace, diretor da agência Biruta Mídias Mirabolantes, foram os executivos que dialogaram sobre o tema, mediados por Paulo Clemen, diretor de atendimento e planejamento da Casa do Cliente Comunicação 360º. No início da conversa, os convidados comentaram suas percepções sobre os conceitos de liderança neste início de século.

“É algo complexo, pois todos falam sobre, mas poucos compreendem. O líder inspira; tem a torcida a seu favor. Sua realização vem por meio do sucesso de sua equipe. O fundamental para ser considerado um líder é o autoconhecimento, a capacidade de governar a si mesmo”, descreve Júlio Fonseca, que cita a gestão participativa como um exemplo de atitude diferenciada em algumas empresas. “Isso otimizou o desempenho das organizações e foi viabilizado pela comunicação, que é muito importante no apoio para a gestão.”

Com formação em jornalismo, carreira que considera entre as mais solitárias, João Domenech contou que, ao assumir a diretoria na área de comunicação da Coca-Cola Brasil, há sete meses, fez questão de inverter os papéis para aumentar a participação de seu grupo. “Tive muitas equipes e o que sempre procurei fazer foi envolver os funcionários de forma não convencional. Quando cheguei à empresa perguntei para as pessoas: o que devo fazer?.”

Segundo Domenech, atitudes simbólicas são importantes, mas se não forem associadas à prática têm pouco efeito. “Na teoria evoluímos, mas ainda esbarramos na falta de acesso à comunicação. Muitos gerentes foram formados no século passado. Temos que combater isso, ser mais heterodoxos. Precisamos que o subordinado tenha acesso livre ao gerente de fato”, explica.

Responsável por momentos de descontração da plateia, o extrovertido Rafael Liporace apresentou diversos exemplos de liderança inovadora. Em sua empresa, os funcionários ganham folga de meio expediente para comemorar os aniversários de filhos, de casamento e o próprio, é claro. Até morte do animalzinho de estimação já foi motivo de licença do trabalho. “Acredito no modelo ‘quanto mais simples e próximo, melhor’. Se as premissas forem verdadeiras a coisa funciona, caso contrário é demagogia”, conta Liporace.

Valorizando esse comportamento, a agência Biruta Mídias Mirabolantes foi eleita em 2010, pelo Great Place to Work, a melhor empresa de comunicação para se trabalhar no Brasil. Mas o diretor admite que vincular tais conceitos a uma grande empresa não deve ser tarefa fácil. “Gostaria de, daqui a 15 anos, vender minha empresa, assumir uma multinacional e tentar aplicar estes valores para ver se funciona, porque deve ser complicado.”

De acordo com Júlio Fonseca, todos são resistentes às mudanças, inclusive os líderes. “Sentimos dificuldade de se relacionar com os jovens, pois as mudanças são cada vez mais intensas. Precisamos guardar este espírito, mesmo quando mais velhos. Por outro lado, os representantes da Geração Y parecem que querem chegar ao céu, mas não querem morrer”, se referindo à velocidade em que os jovens querem progredir nas organizações. Liporace cobrou uma postura mais destemida do mercado: “Quanto maior o risco, maior o ganho. Os grandes líderes foram aqueles que arriscaram.”

Paulo Clemen comentou a percepção de que o brasileiro é um profissional culturalmente acostumado ao comando forte, realidade que vai contra as tendências apresentadas no encontro. “No passado, o chefe era o sujeito dono da informação. Hoje, com as informações circulando livremente, seu poder está na capacidade de relacionamento”, afirma. Para João Domenech, o país se habituou à cultura do poder e respeito à autoridade. “Isso é ruim para a empresa, pois perde a capacidade criativa e o ideal de participação.”

Na visão de Julio Fonseca, esta característica do profissional brasileiro não está relacionada à cultura. “Querer um chefe autoritário não é uma questão do brasileiro. Nosso problema é estrutural, pois temos uma educação sofrível. Uma cultura não é melhor que a outra, é diferente”, argumenta.

******************************************************************************************************

As diferenças entre o chefe e o líder na crescente complexidade do mercado

João Casotti

A palavra chefe no mundo corporativo não tem uma boa reputação devido à imagem de autoritarismo associada ao cargo. Por isso, aos poucos a expressão foi dando lugar a termos como gerente, gestor ou administrador, que tentam dar um aspecto mais simpático aos postos de comando das empresas. Por um período, antes do início deste milênio, falava-se em chefia e líder como sinônimos, conceitos separados nos anos 2000. Hoje, liderança é uma palavra que ganha cada vez mais valor entre as organizações e, ao mesmo tempo, é mal compreendida.

“Define-se chefia como um cargo e liderança com uma habilidade especial de interação e influência. O líder nunca é um carrasco”, afirma Paulo Motta, consultor e professor da Fundação Getulio Vargas (FGV), no Rio de Janeiro. Segundo o especialista, as expressões chefe, gerente e gestor são quase sinônimos, e nos últimos anos foram muito associadas ao papel do líder.

“Mas liderança lembra uma capacidade natural das pessoas influenciarem as outras. Num meio organizacional, as pessoas preferem ser lideradas no lugar de gerenciadas, supervisionadas, comandadas, controladas. Ninguém espera que o chefe seja um grande líder, mas se ele aprender algumas habilidades de liderança será um chefe melhor dentro deste contexto moderno”, explica Motta.

O consultor Paulo Nabuco, que atua na área de liderança e gestão de pessoas, ajuda a esclarecer a história dos comandos nas organizações. “A visão desse gestor antigo era baseada na cobrança por produção. Com o passar do tempo, o mercado passou a ter outras necessidades, entramos na fase dos benefícios, dos sindicatos. Com isso, o chefe não podia ser apenas um cobrador e começaram a surgir terminologias como gerente, gestor, que caracterizam um momento com novos valores”, assinala o professor convidado da Faculdade de Administração e Ciências Contábeis da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e dos cursos de extensão da Universidade Estácio de Sá.

Segundo Nabuco, o mercado está cada vez mais exigente não só pela alteração do perfil do cliente nas organizações, mas também dos colaboradores, que procuram novos desafios e recompensas. “O líder, atualmente, é a pessoa que agrega novos valores à equipe. A partir do momento em que o material humano muda, surge a necessidade de novos perfis de gestores, que o mercado chama de líderes.”

A pesquisa IBM Global CEO Study 2010, que questionou cerca de 1.500 CEOs de 60 países e 33 diferentes indústrias, apresenta um dado curioso sobre a expectativa desses chefes empresariais em relação ao mercado: oito em cada dez diretores têm sérias dúvidas sobre sua capacidade de lidar com a complexidade do mundo. Os entrevistados afirmaram que o atual ambiente de negócios é volátil, incerto e crescentemente complexo devido a fatores macroeconômicos (38%), de mercado (56%) e de tecnologia (39%). Diante desta perspectiva de crescente complexidade, os CEOs apontaram a criatividade como atributo de liderança mais importante.

Paulo Motta concorda com a revelação do estudo: “A criatividade é uma habilidade que pode ser desenvolvida pelo desafio e pela iniciativa. Ao permitir que os profissionais elaborem suas próprias ideias, o chefe passa a ter que acreditar na capacidade dos subordinados. Se essa relação for uma imposição como conformidade, vai obter funcionários passíveis, dependentes e sem iniciativa; consequentemente, a inovação vai ser nula. E quanto mais ele incentivar esta capacidade de as pessoas assumirem responsabilidades e desenvolverem ideias próprias, melhor será a concorrência para inovação”.

Motta criticou o autoritarismo do mercado no Brasil, que torna os funcionários receptores passivos das ideias do chefe. O professor ainda fez uma análise dos diferentes comportamentos da figura do chefe no mundo: no Japão, é encarregado de manter um consenso; na Alemanha, tem a função de verificar o cumprimento daquilo que foi determinado em conjunto; e nos Estados Unidos, é responsável por estabelecer boas diretrizes capazes de descentralizar e gerar iniciativa nas pessoas. “A função de líder varia em cada região, mas o brasileiro, culturalmente, tem a crença no comando forte.”

Na visão de Paulo Nabuco, as organizações do país utilizam a palavra liderança de forma não consciente. “A empresa necessita de líderes, mas ao mesmo tempo não sabe definir o que é ser um líder. O mercado corporativo confunde líderes com ídolo. Liderança não tem o componente emocional como preponderante, ela se conquista pela sintonia de objetivos.”

Para o consultor, é comum as organizações desejarem líderes, mas ao serem questionadas sobre as características dessa figura, a pergunta fica sem resposta. “Existe espaço para esta prática, mas os responsáveis pelas empresas deveriam em um primeiro momento definir o que é ser um líder ou gestor, pois elas precisam de liderança”, acredita Nabuco.

*******************************************************************************************************

Espero que apreciem este maravilhoso trabalho realizado por toda a equipe do Nós da Comunicação e lembro aqui uma frase de um antigo gestor e líder nato que a editora aqui teve durante os seus primeiros anos como profissional de comunicação interna: Quem tem chefe é índio. Ou você é líder ou nunca será.

<!–

//–>

 

Tags: , , ,

Plano B Recomenda está no ar

Prezado (a) Leitor (a)!

O Blog da Plano B Consultoria lança uma novidade: um blog voltado exclusivamente com as nossas recomendações de livros novos e antigos, vídeos, artigos, sites, blogs, cursos e congressos ligados à área de comunicação.

A ideia é compartilhar conhecimento comtodos os profissionais que nos seguem há dois anos e que acreditam no trabalho desenvolvido pela Plano B.

Sua colaboração também será bem-vinda! Caso queira divulgar para nossos leitores congressos, cursos, livros, vídeos, blogs, artigos, sites, vamos ter o prazer de publicar. Basta encaminhar a sua informação para planobconsultoria@planobconsultoria.com

O nosso objetivo é compartilhar conhecimento de todos as formas possíveis.

Temos certeza que o profissional da área de comunicação vai adorar esta nossa novidade.

Seja bem-vindo e compartilhe o seu conhecimento.

Plano B Consultoria

Siga o link: http://planobrecomenda.wordpress.com

 

Tags: , , , , , , , , ,

… e a Geração X começou assim

Estamos no tempo da velocidade da informação e nós, da Geração X não nos damos conta de quanto fomos absorvidos por ela. Isto foi fundamental para que pudéssemos continuar no mercado de trabalho. Você que é desta geração já se deu conta de quanta coisa mudou?

A Geração X não nasceu como a Y, plugada, todos com um controle remoto na mão, um computador sempre ao alcance para fazer suas pesquisas e ajudar nas tarefas do dia a dia de trabalho. Esta Geração que nasceu na década de 60, teve a sua adolescência no final da década de 70, e fez a sua faculdade no inicio da década de 80, caminhou junto com os avanços e se adaptou conforme a tecnologia ia aparecendo e mostrando a suas diversas facilidades.

Lembro, quando era pequena, que comunicação vinha através de telefonemas, cartas, rádio, TV, jornais e revistas.  Por meio dos sorrisos e reuniões da família e dos amigos. Era um tempo bom e que todos viviam sem Twitter, Facebook, Orkut e outras redes sociais. Telefone celular era um sonho inexistente e as amizades construídas através do colégio se ampliavam conforme a formação de círculos de amizade.

E o amigo virtual? Aposto que ninguém nunca pensou em ter um ou até mesmo mais de mil em sua rede social.  A Geração X queria obter a sua formação acadêmica, entrar no mercado de trabalho e fazer jus ao diploma tão sonhado e suado nos quatro anos universitários.

As transações financeiras eram as mais precárias possíveis. Computador em banco? Acho que só existiam os main fraimes para processarem os balanços de final de ano. Posso falar um pouquinho sobre isto porque meu pai foi gerente de banco nesta época tão precária. Os saldos eram anotados em fichas e diminuídos conforme os cheques iam chegando ao banco e retiradas realizadas pelos clientes. Chega a ser cômico, pois tenho certeza que a Geração Y nem se dá conta de que o processo era feito desta maneira. Mas, funcionava.

Meu pai nem chegou a ver a era das grandes transações financeiras realizadas virtualmente. Faleceu ainda no início da década de 80, mas chegou a ver  e utilizar o primeiro computador para os caixas, o que dava velocidade para o trabalho dos funcionários dos bancos. Não  assitiu a    “morte”  do vinil, do vídeo cassete, o nascimento do celular e tudo que veio depois. Nossa, e ele faleceu há apenas 26 anos. Os avanços de lá para cá são incontáveis e fico me perguntando se meu pai conseguiria se adaptar tão facilmente a todas as estas tecnologias. No meu parecer acho que sim, pois ele estava maravilhado com o computador do banco e as poucas invenções que estavam surgindo.

Aprendi a escrever as matérias jornalísticas em máquinas de escrever elétricas,. Eram as mais avançadas do mercado e as pesquisas para os trabalhos universitários feitas em silenciosas bibliotecas recheadas de livros, monografias e teses disponíveis nas muitas estantes. Acho que ninguém da Geração X poderia imaginar uma Internet ao seu alcance, contendo milhares e milhares de informações, prontas para serem lidas, absorvidas, tudo para ajudar estudantes e profissionais.

E assim era a comunicação da Geração X. Todos se formaram e a maioria ainda está no mercado de trabalho. Esta é uma geração que se deparou com o primeiro computador e se deslumbrou com ele. Não teve receio, encarou, sorrindo e maravilhado para aquela máquina que “tudo” podia. Todos queriam era aprender e saber do que ela poderia ser capaz.

Quando a Internet chegou, esta Geração já estava trabalhando em um pique alucinado. O espanto foi grande, mas ninguém torceu o nariz. A rede era capaz de armazenava arquivos, histórias, documentos, tudo estava lá dentro ao alcance de um clique e a tecnologia também avançava a uma velocidade incontrolável, facilitando o trabalho e o dia a dia dessa Geração.

Ninguém poderia imaginar que em 30 anos a tecnologia teria um avanço tão grande. Hoje os registros realizados no início de tudo foram rapidamente substituídos pela comunicação via rede. E-mails foram tomando lugar das cartas seladas e enviadas pelos Correios. Claro que o e-mail ganharia um imenso fã clube. Quem não iria preferir esta ferramenta que escrevíamos em uma tela e com apenas um clique o remetente recebia a mensagem escrita em questão de segundos? Acabava o deslocamento até os Correios, gastos com selos, canetas e papel. Não havia mais a expectativa, a ansiedade e a demora para que o remetente recebesse a mensagem. Era a velocidade contra a burocracia dos Correios, que reinou durante séculos e estava perdendo rapidamente seu mercado monopolizado.

Bancos, Bolsas de Valores e todas as transações financeiras deixaram de ser feitas diretamente na boca do caixa ou com o gerente. A era da virtualidade impera nesta área. Ficou mais fácil pagar contas, aplicar em fundos e consultar saldos. Tudo via Internet.

Congressos, reuniões à distância e debates, podem ser realizadas por meio de plataformas antes vistas apenas na imaginação dos roteiristas de filmes de ficção científica. Livros já podem ser lidos nas telas de computadores e estudantes já contam com a ajuda do Google e da maior biblioteca virtual do mundo: a Wikipedia. Aqueles imensos volumes da enciclopédia Barsa deixaram de ocupar espaço na velha estante.

O avanço da tecnologia não acompanha mais o pensamento do homem e está cada vez mais rápida. Em menos de seis meses o telefone comprado hoje certamente estará obsoleto. E cada vez mais aparelhos celulares estão sofisticados, aproximando mais as pessoas e é claro, acabando com a velha privacidade.

Jornais e revistas, TVs e rádios já possuem sua versão virtual e os meios de comunicação precisam ser cada vez mais rápidos para atualizar seus leitores e conquistar mais adeptos. Aliás, os profissionais de comunicação tiveram que se adaptar rapidamente a estas tecnologias. Mesmo assim, muitos jornais e revistas de todo o mundo não suportaram os avanços da Internet e fecharam suas portas e demitiram milhares de jornalistas.

Fica a minha pergunta: Conseguiríamos hoje viver um dia como nos antigos tempos? Você já se deu uma chance de viver um dia assim sem Internet, pesquisando em bibliotecas, lendo os jornais e revistas, vendo o telejornal, sem o seu sofisticado celular, Twitter ou Facebook, escutando rádio e atendendo telefones com fio ou sem fio? Tudo como antigamente? Conseguiria assistir a um filme no videocassete, escutar música em um disco vinil, jogar Atari e acompanhar o seriado na TV, sem fazer download? Conseguiria esquecer seu MP4, 5 ou IPod? Claro que se você tem menos de 30 anos esta pergunta não vale. Ela é direcionada as pessoas acima dos 40 anos.

Será que viver sem tudo isto durante um dia e quem sabe uma semana, você sofrerá de abstinência e ficará enlouquecido? Muitos dirão que sim. Nem conseguirão ficar sem seu super, mega celular. Twitter e outras ferramentas de comunicação, nem pensar. Dá loucura, pois o indivíduo se sente fora do mundo e completamente desinformado. Muitos da Geração X vão dizer que eram bons esses tempos, mas que preferem os de hoje.  temps que acpmpanhar os avanços é é a mais pura verdade.

A comunicação é mais rápida, já estamos acostumados com o ritmo alucinado da comunicação e já estão incorporados a nossa vida. A Geração X respara sim neste ritmo alucinado, mas conseguem acompanhar, sem nenhum problema.

Concordo com todos eles. Eu sou assim. Um ou dois dias fora do Twitter me sinto completamente desinformada. Mas, vejo muitas pessoas viverem sem tudo isto e muito bem. O celular serve apenas para falar e se sentem inteiramente satisfeitos. Leem jornais, revistas e desconhecem profundamente as tecnologias que nos ajudam no trabalho para facilitar nossas tarefas ou apenas para diminuir o estresse. Prefere jogar xadrez, gamão e uma paciência com baralhos verdadeiros e desconhecem os jogos virtuais como Farmville, Mafia Wars, Paciência Virtual, etc..

Parece incrível, mas é verdade. Muitos da Geração X, que pode ser seu primo, amigo ou tio desconhecem todas as tecnologias e vivem sem pavor de serem engolidos pelo mercado de trabalho. Levam uma vida agitada de trabalho, a mesma que a nossa, que utiliza todas as mídias e ferramentas disponíveis ou até mesmo levam uma vida pacata, como se estivessem parados no tempo. Mas, não estão. Muitos encaminham seus filhos para o sucesso sem utilizar todas as tecnologias que movem o nosso dia.

Tenho amigas que conhecem tudo o que existe, estão informadas, mas preferem ficar longe de toda esta loucura, de saber segundo a segundo o que está acontecendo no Brasil e no mundo. Usam no máximo e-mail ou celular e não possuem perfil em redes sociais. São admiradores do que usamos e aprendemos, mas possuem o chamado “problema entre cadeira e teclado”. Alguns chegam até mesmo a desconhecer a Internet, já ouviram falar no Orkut, Facebook e Twitter, porque são ferramentas muito comentadas na mídia.

Pasmem! Alguns são profissionais de grande sucesso e atuam plenamente. Como? Tenho um exemplo: uma grande amiga é uma excelente cirurgiã de tórax, trabalha em vários hospitais operando, participa de grandes congressos, sabe de todas as novidades de sua área, mas seu perfil no Orkut foi feito pelo seu marido, também médico. Ela mal lê e-mails ou se comunica por redes sociais. Isto é possível? A vida sem Internet, a velocidade da informação não é importante para sua carreira. Para ela, o que importa é o bem estar de seus pacientes e ficar na rede toma um tempo danado de seus horários de trabalho, apesar de ter consciência de que gastar umas horinhas na rede iria melhorar ainda mais os seus contatos com médicos no exterior e pesquisas que são divulgadas na Internet.

Estou escrevendo este artigo somente para lembrar que a vida ainda existe sem tudo isto e que este mundo paralelo sobrevive muito bem sem estes avanços e o estresse que ele proporciona, principalmente, para profissionais de comunicação, profissionais de TI, de web, entre outros que precisam estar constantemente informados. Caso contrário, sua carreira estará morta em questão de segundos por um “mercado cruel” com profissionais acima dos 40 anos.

Estes amigos também mandam cartas para os amigos, presentes e flores não virtuais, com o objetivo de manter a proximidade e o carinho. Não estou dizendo aqui que os bolos, beijos, abraços e flores virtuais não são encaminhados com carinho. Pelo contrário! Também não estou aqui fazendo apologia para que todos larguem tudo e voltem aos velhos tempos, pois sou adepta das mídias, celulares de última geração, avanços tecnológicos e não consigo mais viver sem isto. Sou uma profissional que levanta a bandeira para a preservação da memória e principalmente da digitalização de acervos culturais para que nada seja perdido. Além disso, sei que os avanços levaram a esta Geração X a obter muita informação e a absorver mais do que poderia para melhorar a sua carreira. Mas lembro, de que toda a informação vem carregada da sua urgência. São tantas informações geradas diariamente que acabam se acumulando. Não há tempo hábil para ler tudo. O dia deveria ter mais horas, somente assim, conseguiríamos ler tudo que nos é enviado e o que aparece na Internet. Assim mesmo, acho que fatalmente o acumulo seria inevitável. Ler tudo não é uma tarefa fácil e guardá-lo, mais ainda.

A nossa memória, o nosso cérebro tão misterioso, é capaz de absorver muitas informações ao mesmo tempo, mas não conseguimos armazenar tudo que vemos em apenas um único dia na rede. A velocidade da informação não é mais em segundos e sim em milésimos de segundos, o que torna impossível memorizar tudo. Então, o que não seria de nossa geração e das futuras gerações se não existisse esta tecnologia. A Geração Y nem pensa em viver sem isto e nem consegue imaginar como poderíamos viver sem isto. Acho que a geração X tão adaptada também, pois trabalharam duro para se adaptar e conquistar o seu espaço no mercado.

Acredito que a maior parte da Geração X está conectada tanto quanto a Geração Y e gostam de receber bolos e flores, abraços e beijos virtuais e dão extrema importância aos amigos de suas redes sociais. Mas, a Geração X, não conectada e que ainda vive sem os avanços tecnológicos, simplesmente não ligam e preferem viver desta forma. Uma questão de escolha neste mundo totalmente globalizado.

Termino o meu artigo com a frase de um famoso filme, da década de 80 e que se tornou Cult. É do diretor Ridley Scott, estrelado por Harrison Ford e Rutger Hauer: Blade Runner: Caçador de Androides. Este filme, lá atrás, nos meus tempos finais de faculdade de jornalismo mexeu muito comigo. Os avanços daquele filme já estão ultrapassados, mas os pensamentos não. Nele existiam replicantes e muitos nem tinham consciência de sua condição. Mas, os que sabiam queriam ter apenas a chance de viver mais. Sonho de todo ser humano. Eles queriam aprender mais.

A personagem de Rutger Hauer, o androide Roy, termina dizendo mais ou menos isso: “… vi muitas coisas. Todos os pensamentos e tudo que vive se perderão como uma lágrima na chuva. Hora de partir”. É o momento de sua morte.

Esta frase me marcou profundamente porque tudo pode ser armazenado, a história mundial, o que escrevi em posts, meu blog, minhas fotos. Mas, a única coisa que não poderá ser armazenada são os meus mais íntimos pensamentos e tudo, mas, tudo o que aprendi.

Então, será que meus amigos que fazem parte da Geração X e são “analfabytes” não estão melhor do que eu, que corro o dia inteiro atrás de notícias, avanços tecnológicos para me manter ativa na rede social, no Twitter e em outras mídias que surgirão? Será que toda esta correria e esse estresse vale a pena para nos manter no mercado? Questão para reflexão e escolha, como já dito.

A sensação que tenho é que haverá a qualquer momento um colapso de tudo por acusa de tanta urgência. Só quero deixar um alerta e fazer uma outra pergunta; será que o mercado corporativo deve ser tão cruel assim a ponto de exigir tudo para todos e de qualquer geração. Não tenho dúvida que tudo isto foi provocado pels avanços tecnológicos, mas o mercado deve ter toda esta sede? Será que realizar um bom trabalho, ser uma grande empresa, obter respeito do mercado não deve ser obtido somente pelo conhecimento mas também carregado de experiência? Fato que o mercado está esquecendo que a Geração X tem e até mesmo acima da média.

Não devemos voltar ao passado, devemos sorrir para os avanços em todas as áreas, mas devemos preservar uma qualidade de vida e o respeito pela expêriência que esta Geração tem e vem adquirindo.

 

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Um bom ano para a comunicação

Fazer previsões e análises nunca foi o meu forte, mas posso dizer com muita clareza em meus muitos anos de experiência em comunicação e principalmente, comunicação interna, que o ano de 2009 foi muito bom para esta área.

Ao receber a revista Comunicação 360˚, da Casa do Cliente, com o tema principal “A Arte da Comunicação”, fiquei feliz em ler algumas matérias e saber que ainda não sei tudo, que tenho muito que aprender, a ler, muito que estudar. Tive uma certeza imensa da evolução da comunicação interna, externa, das mídias sociais e posso assinar qualquer documento afirmando que 2010 será bem promissor para esta área.

2009 apresentou um crescimento acelerado, como se alguém estivesse dentro de uma Ferrari a mais de 300 km/h. A comunicação a cada dia divulga novidades e nós não podemos parar de estudá-la e aceitar as suas inovações. As empresas que adotaram as mídias sociais, que descobriram seus benefícios, que escutaram seus funcionários no ano que terminou, foram as que mais cresceram.

Em muitos encontros, palestras, matérias, congressos foram discutidos a importância da valorização, das mídias sociais, mas muito pouco ainda é feito para que tudo isto seja aplicado. É fato e temos que encarar a realidade. Mas como disse Beth Saad, professora titular da ECA-USP, em seu artigo “Momento de Mudar”, publicada na última edição da revista da Casa do Cliente: “Antes de agir, vale a pena refletir”. Sim. Concordo plenamente. Desta forma, uso esta frase para dizer: aplicando-a podemos evitar qualquer tipo de erros em uma área tão séria.

Conheço muitas empresas que mandam seus gerentes para estes congressos e eles apresentam maravilhas feitas dentro das organizações em que trabalham. No fundo, escondem muito bem debaixo do tapete a poeira para que seus funcionários nunca passem o dedo e deixem o risco no tampo da mesa e descubram a realidade que está acontecendo dentro da organização. Uma pena, porque comunicação é uma arte, um trabalho sério e esta área deve ser encarada com seriedade pelas empresas. Os líderes devem tê-la como peça chave e ainda, como aliada nos momentos de planejamento estratégico.

Enquanto as organizações não escutarem seus funcionários, estimulá-los e motivá-los, enquanto não acabar com os conflitos de gerações que há dentro das empresas, muitas vezes existente entre as Gerações X e Y e, se não houver gente mais capacitada para ocupar os cargos e fazer realmente o que é necessário, a comunicação não fluirá de forma organizada e rápida. Continuará sendo apenas um mero trabalho de comunicar para os funcionários. E, as mídias sociais estão aí, dando um banho e podem ajudar a melhorar todo este processo.

Saibam que é uma questão cultural. Vai demorar um pouco para que as mídias sociais sejam totalmente liberadas e aceitas dentro das organizações. Com a adoção das mídias muitos já estão trabalhando com a comunicação multidirecional e é preciso entender perfeitamente como ela funciona. Com sua aplicação podemos ver definitivamente o fim da comunicação unidirecional, aquela antiga forma e muito existente, onde o líder pede ao diretor/gerente de comunicação para divulgar comunicados para os funcionários.

Por este motivo acho que vai demorar um pouco para que a Geração X – ocupante até este momento de muitas cadeiras de liderança -, aceitem estas mídias sociais como meio de informação e divulgação. Bem, está aí à causa do porque destas ferramentas até agora não terem sido adotadas. Existe também um fator primordial e de relevância: à perda do poder, do controle da organização. Espero somente, que eles saibam que ninguém detém o poder da informação…

Quando enxergarem que estas ferramentas melhoram o fluxo da comunicação, a qualidade dos produtos e serviços, o atendimento ao cliente, a troca de informação e ideias com os funcionários, estes líderes conseguirão testemunhar uma grande mudança.

Vale lembrar que as mídias sociais para algumas empresas não é ferramenta primordial. Deve ser feita uma profunda análise antes de sua adoção. Mas, uma vez aplicada entrarão com tudo nas organizações e, possivelmente, alguns conflitos poderão ser solucionados.

Minha previsão é esta. Aberturas de blogs em algumas empresas como já existem – mas com consciência senhores gerentes, pois terão que aprender a lidar com comentários na maioria das vezes negativos e responder às reclamações, como foi muito bem dito por Mauro Segura, Diretor de Comunicação e Marketing da IBM Brasil, no Ciclo Comunicar e corroborado por Liliane Ferrari, na matéria “Comunicação sem Limites”, publicada na última edição da revista da Casa do Cliente e por mim. Blog é um cabal aberto e a empresa tem que estar disposta a aceitá-la. Vamos ter mais ferramentas, mas facilidades, novas mídias, tudo para melhorar e acelerar a comunicação.

Conhecimento deve ser compartilhado e se for ninguém vai segurar a comunicação. A maioria das empresas ainda utiliza lupa, mas basta apenas que elas comprem um par de óculos, com pouquíssimo grau, para melhorar a visão.

Bem vindo 2010!

PS: Como sempre digo para meus amigos: são previsões de uma simples comunicóloga e não de uma taróloga.

 

Tags: , , , , ,

Geração Y – “Sim, nós podemos!”

Antes de escrever todo o texto, quero que o leitor assista o vídeo abaixo, divirta-se e faça uma reflexão.

Quem assistiu no dia 3 de dezembro, na ESPM do Rio de Janeiro, o Ciclo Comunicar Cultura, realizado pelo Nós da Comunicação, não conseguiu conter o riso quando Eline Kullock, presidente do Grupo Foco apresentou o vídeo durante o evento “X, Y e + o Q? Admirável novo mundo corporativo: Comunicação e cultura na era digital”, mediado por Bernadete Almeida, coordenadora da ESPM Social, que ainda contou com a excelente apresentação do diretor de Comunicação e Marketing da IBM, Mauro Segura.

Sim, rimos muito porque lembramos de nossas “crianças”. Desta geração que já nasceu em uma era veloz, com agenda lotada de compromissos – escola, balé, futebol, inglês, espanhol, francês, caratê, natação, universidade, estágio, MBA, mestrado, internet, Twitter, Facebook, Orkut, Iphone e assim vai -, imposta por nós, os pais, pensando que eles nunca pudessem dar conta do recado.

Achamos graça do bebezinho falando sem ponto e sem vírgula, em sua própria linguagem, porque sabemos que esta geração já nasceu com chip e serão capazes de muito mais coisas do que a Geração que está começando a predominar o início do século 21: a Geração Y, esta que criamos com a agenda lotada e cheia de compromissos.

Antes de este futuro bebê entrar para o Admirável Mundo Corporativo e assumir uma geração que nem sabemos qual a letra receberá ou o que será, não podemos esquecer que a Geração Y – nascida no final da década de 70 até o início da década de 90, ainda no século XX -, se viu no meio de transformações, em uma velocidade empregada por seus pais e avós, até então formadores da geração Baby Bommers e Geração X. Engano nosso quando a culpa batia ao ver a agenda de compromissos de nossos filhos. Achávamos que eles não aguentariam o tranco? Um grande engano. Eles gostaram da agitação, se adaptaram perfeitamente as nossas “imposições”. Correr e fazer tudo ao mesmo tempo é um ato normal do dia a dia. E se achávamos a velocidade muito grande, eles trataram de aumentá-la.

Hoje, a Geração Y, aquela que nasceu jogando videogame e hoje acha o Twitter o essencial da informação, dá aula para a geração que criou o computador e os softwares para que eles pudessem brincar. É a geração do “sim, nós podemos tudo!”, que de acordo com Eline: “nasceu com a estima muito alta”. Culpa da Geração X? Podemos dizer que sim. Seus pais foram criados pela Geração Baby Bommers para “enfrentar” o mercado de trabalho, deveriam dar valor as empresas, mas infelizmente não foram preparados para “criar” os seus filhos. A Geração X carrega a culpa das famílias desfeitas e do divórcio e para que seus filhos não ficassem traumatizados, acostumaram a dizer para eles: “Vocês serão os melhores, os vencedores, os maiores. Podem tudo”. Conclusão, a Geração Y chegou ao Admirável Mundo Novo Corporativo achando que poderiam dominar as empresa. Só esquecemos de passar uma informação para esta geração, na direção das organizações, esses jovens de até 30 anos encontrariam sentados nas cadeiras tops e ainda de forma super ativa, a Geração X.

Conflito de gerações? Segundo Eline Kullock, só se quisermos. “As gerações podem ser diferentes e elas conseguem funcionar. Devemos estar abertos para entender as pessoas assim. Devemos entender as diferenças.” E a presidente do Grupo Focus nos mostra uma foto do monstrinho E.T, do filme de Steven Spielberg.

A Geração X e a Geração Y conseguem muito bem trabalhar juntas e integradas, mas é claro que notamos o seguinte dilema: Horas X Segundos. Tudo para a Geração Y é na base da velocidade, fato que a Geração X entende perfeitamente e até convive muito bem. Mas, será que a Geração Y está realmente preparada para sentar no topo da direção de uma empresa sem cometer erros e sem ser preparada pela Geração X? Opinião sincera: devemos conviver muito bem e conseguimos, mas é nossa obrigação prepará-los para o futuro, para que não errem tanto. Não que a Geração X nunca tenha cometido erros. Ao contrário, mas é uma geração que aprendeu com seus erros.

Geração da Impaciência

É assim que a Geração Y pensa. A vida é curta, muito curta e acelerada. Devemos então aproveitá-la da melhor forma possível. E erram, erram e erram. Acho que eles nem se importam com seus erros agora. Mas cabe a Geração X mostrar que lá na frente este erro terá consequências.

A Geração Y deve aprender a olhar o passado para enxergar melhor o futuro, somente desta forma conseguirão ocupar posições altas nas corporações. Em pouco tempo eles serão o passado. A linha do tempo, por causa da velocidade tecnológica está cada vez mais curta e o futuro já chegou com o bebezinho acima. Ele já está “pronto” e nasceu falante e com opinião. Os jovens de hoje, uma vez preparados por nós, receberão este bebê nas futuras corporações.

E quando as duas gerações falam!, está na hora de sentar e conversar. “O modelo mental está diferente e precisamos escutar o outro. Sabe por quê? Não está fazendo o menor sentindo. Pare e tente entender o que está acontecendo.”, diz Eline Kullock.

A Geração do Twitter, do Facebook, do Orkut, etc., que tem a sua própria linguagem escrita, passou por bruscas mudanças tecnológicas, e foi exatamente esta mudança que acabou por provocar a troca de uma geração para outra, segundo Eline Kullock. Para eles, papai não sabe nada. Engraçado, pois nós da Geração X, tínhamos o costume de dar valor ao conhecimento de nossos pais, nascidos e formados na Geração Baby Bommers.

A Geração Y sai de casa com a sensação de que seus pais não aprenderam nada e não sabem nada. Tudo para eles está no celular, porque a vida deles está no celular. Não leem manual, são antenados e super conectados, vivem em tribos e funcionam em tribos. O modelo mental desta Geração Y é a velocidade e da Geração X é outra. “Por este motivo, temos que saber o que eles estão falando. Porque certamente estamos falando coisas diferentes, o ”, explica Eline.

Imagem do papai lendo jornal no café da manhã? Para esta geração que está no mundo corporativo, conectado 24 horas por dia e querendo “dominar” em alta velocidade as empresas, não existe. Tudo que precisam saber está escrito em 140 caracteres no Twitter. Neste aplicativo eles encontram suas tribos e a cada momento tem uma coisa nova.

Conhecimento

Eles parecem não querer aprender com a Geração X. Acham que já sabem tudo, porque foi o modelo criado e não aprenderam com seus pais e sim, com os seus pares. Muito mais na tentativa e erro. Para esta geração errar não importa. Não se preocupam com o erro e com a bronca do gerente. Bola para frente. Encaram olho no olho o gerente e de igual para igual. Não aprenderam a respeitar e a baixar a cabeça para ninguém. “Se esta geração pensa que esta atitude não influenciará no futuro…”, diz Eline.

A Geração X, que na sua maioria, ainda comanda as organizações não está acostumada a fazer isto, o que impacta na estrutura da organização. Tentativa e erro não é característica da Geração X e é aí que se encontra o desafio. A diversidade é trabalhar com várias gerações e muitas empresas ainda apresentam em sua estrutura quatro delas trabalhando de forma totalmente integrada.

Conhecimento é o que devemos passar para esta geração. Ela pode ter até mesmo a sua própria velocidade, mas é necessário aprender sem muitas tentativas e muitos erros. O futuro não permitirá mais este tipo de atitude. Cabe a nós convencê-los desta necessidade, pois o bebezinho está aí e ele certamente precisará ser ensinado e educado como nós fomos para poder tornar o mundo corporativo admirável como ele é.

Informação para a Colaboração

A apresentação de Mauro Segura, mostrando como funciona a IBM foi à prova viva de que as duas Gerações, X e Y conseguem trabalhar, conviver e aprender uma com a outra. Da Informação para a Colaboração. E foi com este pensamento e este conceito que a IBM começou a mudar a sua comunicação corporativa.

E Mauro conseguiu, com estas e muitas outras conquistas dentro da IBM, deixar a plateia de boca aberta. No complexo de Hortolândia, em São Paulo, trabalham mais de oito mil pessoas em um único galpão que não fabricam equipamentos e sim conhecimento. Aproximadamente 1.500 pessoas estão prestando serviços para os clientes da IBM e trabalham de acordo com os feriados impostos pelos países de seus clientes. “Uma sintonia completa”, diz Mauro.

E não para por aí. A IBM contratou nos últimos três anos aproximadamente, de sete a dez funcionários. É uma empresa altamente segmentada, tendo 50% do seu corpo de funcionários formado pela Geração Y. Quer dizer, com menos de 30 anos.

“Nada perto da IBM na Índia, que contratou cerca de 300 empregados por dia e realizou este feito em um estacionamento, pois não havia lugar para isto.”, diz Mauro bem sorridente.

E não pense que uma empresa como a IBM ou do porte da IBM não sofreu por causa da globalização intensa. “As filiais sofreram muito porque a globalização imposta para a Geração X e agora Y, precisavam se adaptar rapidamente e elas tinham uma enorme necessidade de desenvolver o conhecimento”, explica Mauro.

O maior desafio da IBM foi o crescimento. Encontraram um cenário com globalização intensa; senso de urgência; uma nova geração; desenvolvimento e crescimento das pessoas; aumento da complexidade; necessidade enorme de integração e colaboração e principalmente, um novo ambiente de trabalho.

É claro que a comunicação corporativa teve um imenso trabalho pela frente. Viabilizar esta transformação da imagem externa e interna era uma tarefa pioneira e grande. A boa notícia deste trabalhão todo é que a comunicação não estava no final da cadeia da empresa e sim grudada ao board, bem perto das decisões e isto ajudou e impactou bastante nas mudanças.

“Uma mudança do conceito do que é comunicação foi possível porque a IBM, realizou alinhamento com RH e o restante da companhia, a comunicação já estava alinhada ao board da empresa, fizemos um planejamento estratégico rigoroso, com metas claras e arrojadas, mudamos o perfil do profissional de comunicação, criamos uma nova postura e novas ferramentas foram adotadas.”, explicou Mauro.

Surgiu então um novo comunicador, uma comunicação descentralizada e com tecnologia. Hoje, segundo Mauro Segura, a IBM apresenta um “novo” comunicador que cria e atua em toda roda de influência, influencia a estratégia e cria o novo ambiente de trabalho.

A comunicação da IBM aprendeu a gerenciar o caos e hoje apresenta um modelo de comunicação que é o seguinte:

(imagem retirada da palestra de Mauro Seguro, para o Ciclo Comunicar Cultura,  disponível para download no site do slideshare)

“Hoje, não podemos deixar de pensar que o mundo está atolado de informações e não estamos acostumados a gerenciar todas estas informações. É muita coisa ao mesmo tempo e nós e as empresas estamos sempre criando senso de urgência para tudo”, explica Mauro.

A informação voa dentro das empresas e isto é fato e a comunicação corporativa da IBM vendo que isto acontecia constantemente, principalmente por meio de fortíssimos grupos, não teve outra solução a não ser fazer com que esta comunicação fosse realmente transformadora.

Hoje a IBM escuta o seu colaborador, as gerações Baby Bommers – alguns estão sendo recontratadas. A Geração X e a Geração Y trabalham de forma integrada e trocam conhecimento, mesmo que cada uma tenha uma velocidade diferente, mas a tecnologia é tão rápida que acabou por empregar rapidez a estas três gerações.

Segundo Mauro, o conhecimento não está mais disperso, pois a maior preocupação era com a comunicação global e eles não desejavam que a comunicação da IBM Brasil fosse completamente diferente. A informação hoje está customizada. Todo mundo hoje fala com todo mundo e está cada vez mais colaborativa, tendo uma Intranet com um perfil próprio.

Um dos desafios hoje da IBM é resgatar a importância do gerente, para que ele saiba as coisas antes do funcionário, não como um líder que possui a informação, mas como um funcionário que tem um cargo e não deve ser pego de surpresa. “Ele não deve ser atropelado, deve ter sim um papel importante dentro da organização, pois perdeu a liderança”, diz Mauro.

Conclusão: As gerações podem conviver plenamente e de forma integrada nas organizações, mas para isto precisa-se de muita conversa e isto nos foi apresentado nas duas palestras. Tanto na de Mauro Segura quanto na de Eline Kullock. Esta Geração Y não entende como óbvio tudo que a Geração X acreditava como normas. É uma geração que não busca uma carreira vertical e sim seguem as oportunidades. Por este motivo que devemos ser claros e transparentes dentro das organizações. Devemos nos transformar em bons líderes para que e eles no futuro possam ser bons líderes  e ensinar aquele bebezinho do primeiro vídeo.

Nós achamos a Geração Y arrogante e este jovens de hoje querem contribuir, falar, participar de grupos. Mas, temos que saber identificar estes colaboradores dentro das tribos e não é uma tarefa nada fácil achá-los. Uma geração questionadora desde criança e nós, que fazemos parte da Geração X, temos um processo educativo e de tolerância pela frente com a Geração Y. Cabe a nós dar e querer dar voz para esta geração veloz e conectada.

(Parabéns ao Nós da Comunicação por este brilhante e inesquível evento que durante muitos e muitos dias nos proporcionou muita informação).

 

Tags: , , , , , , , ,